ANUNCIAE AQUI!


07/01/2021

Carlos Lupi e Ciro Gomes protocolam notícia-crime contra Bolsonaro no STF

"É criminoso assistir o chefe do Executivo pisar em cima dos cadáveres de quase 200 mil mortos com decisões equivocadas", disse Lupi


Os presidente e vice-presidente do PDT, Carlos Lupi e Ciro Gomes, respectivamente, protocolaram no Supremo Tribunal Federal (STF) uma notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro. O objeto é a demora para marcar uma data na qual será iniciada a vacinação contra o coronavírus.

 

De acordo com informações da coluna de Ancelmo Gois, em O Globo, os pedetistas chamaram de “esforços hercúleos para entornizar o negacionismo” o que Bolsonaro tem feito em relação à vacina. Na quarta-feira (6), o presidente suspendeu a compra de seringas usadas na campanha de imunização até que os preços voltassem à normalidade. À noite, em pronunciamento em cadeia nacional, o ministro Eduardo Pazuello (Saúde) afirmou que estados e municípios já têm seringas suficientes para iniciar a campanha, que ainda não tem data para começar.

 

“Estamos correndo contra o tempo durante a maior pandemia da história da humanidade. Como se não bastasse, ainda precisamos combater esse discurso ignorante e negacionista de quem deveria trabalhar pela vida dos brasileiros para sairmos dessa situação. É criminoso assistir diariamente o chefe do Executivo atentar contra a vida do povo e pisar em cima dos cadáveres de quase 200 mil mortos com suas decisões equivocadas e delírios que atravessam a linha do senso comum e da ciência”, declarou Lupi à publicação.

 

Desde o início da pandemia, Bolsonaro tem minimizado o impacto do coronavírus. Além de se referir à doença como “gripezinha”, o presidente desestimula o uso de máscaras, que são uma barreira para a circulação do vírus, e provoca aglomerações por onde passa. Durante o período no qual estavam em vigor medidas de distanciamento social, Bolsonaro defendia o retorno à normalidade para não prejudicar a economia.

 

O presidente também disse não ser favorável à vacinação obrigatória contra a Covid-19.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial