ANUNCIAE AQUI!


01/09/2017

Após salvar Temer, bancada ruralista da Bahia será beneficiada com “MP do Refis”

Não existe almoço grátis e na Câmara não seria diferente. Os deputados federais baianos que ajudaram a salvar o presidente Michel Temer (PMDB) na Casa Baixa do Congresso Nacional comprovam a máxima e agora cobram a fatura.
 
Ruralistas, alguns deles compõem a “bancada do Refis”, a Comissão Mista que analisa a Medida Provisória nº 783, que institui o Programa de Regularização Tributária (PRT). O programa é aposta do governo para gerar receitas e descongelar despesas.
 
Dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional mostram que, juntos, José Carlos Araújo (PR), Jonga Bacelar (PR) e Benito Gama (PTB) devem, em forma de pessoa física, quase R$ 180 mil.
 
Além disso, a relação também inclui os débitos que as empresas ligadas aos parlamentares possuem, resulta em um montante de quase R$ 2.3 milhões. São os devedores: Benito Gama (PTB) R$ 143.217,73; Félix Mendonça (PDT): R$ 1,6 milhão e Arthur Maia (PPS) R$ 542.215,51, este último relata, a pedido do governo, a escanteada reforma da previdência.
 
O perdão da “MP do Refis”, que pode chegar a R$ 220 bilhões, beneficia diretamente os congressistas da bancada, isso porque o Programa de Regularização muda o prazo e a regra do parcelamento das dívidas e oferece descontos de até 99% em multas e juros na Dívida Ativa da União.
 
“Pontos inegociáveis”
 
Na época em que a denúncia contra Temer era analisada, a Folha de São Paulo afirmou que os parlamentares negociaram, em troca do apoio, seis pontos que constam no relatório aprovado pela comissão mista e que são as que mais pesam contra a arrecadação do programa.
 
Um dos pontos inegociáveis é que devedores excluídos de Refis anteriores por pagamentos irrisórios sejam reinseridos no novo programa. Um dos beneficiários com a medida é o deputado João Gualberto (PSDB-BA), que também faz parte da "bancada do Refis". Só as parcelas mensais de juros de sua dívida somam R$ 71 mil.
 
O grupo também pede a manutenção de descontos de juros e mora (chegam a 99% em alguns casos).
 
Além disso, os parlamentares querem a manutenção do desconto de juros e a ampliação do limite mínimo para aderir ao programa. A MP original prevê uma entrada de 20% para dívidas acima de R$ 15 milhões e de 7,5% para dívidas abaixo desse valor. Os parlamentares querem aumentar o valor mínimo de R$ 15 milhões para R$ 150 milhões, no primeiro caso. E que nos casos restantes a porcentagem da entrada obrigatória diminua para 5% da dívida.
 
A expectativa do governo era de arrecadar R$ 13,3 bilhões com o programa, para tentar diminuir o rombo fiscal de R$ 159 bilhões em 2017. Com as regalias prometidas a bancada ruralista, o Planalto precisará se contentar em perder de R$ 4 bilhões a R$ 6 bilhões na arrecadação.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial