ANUNCIAE AQUI!


29/08/2018

Gilmar diz que Lula é visto como ‘preso político’ e não vê veto a réu no Planalto

'Nós já produzimos esse desastre que aí está. Ou as pessoas não percebem que nós contribuímos com a vitimização do Lula?', disse o ministro do STF

Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes abordou duas questões que envolvem os dois líderes das pesquisas eleitorais na disputa à presidência, Jair Bolsonaro (PSL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT). As informações são do portal jurídico Jota.

O magistrado opinou que o Judiciário contribuiu para o discurso de vitimização do ex-presidente, criando um “mártir”. Ele diz ainda no cenário internacional a tese de que o petista enfrenta uma prisão política passou a ser aceita.

Gilmar recomendou cautela em relação ao tratamento dispensado às campanhas de Lula e Bolsonaro, para não provocar efeito contrário. Gilmar sustenta ainda que uma prova disso seria que o petista tinha 25% dos votos em pesquisas enquanto estava fazendo caravana pelo país antes da prisão e, depois de ir para a carceragem, os levantamentos apontam que já chega aos 40%.

“Nós já produzimos esse desastre que aí está. Ou as pessoas não percebem que nós contribuímos com a vitimização do Lula? Estamos produzindo esse resultado que está aí”, disse.

“Quando você coloca Lula com 40% ou ganhando no primeiro turno, você tá dizendo: “banana pra Lei da Ficha Limpa. Conversei com o pessoal da comissão da OEA [Organização dos Estados Americanos], a visão deles é que no exterior colou a ideia de que ele é um perseguido político”, afirmou.

O ministro defende ainda que a Constituição não impede que réu em ação penal assuma a presidência da República e que uma interpretação diferente seria um “assanhamento”. Jair Bolsonaro responde a duas ações penais no Supremo: uma delas por suposta prática de apologia ao crime de estupro e outra por injúria racial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial